O Director Regional do Banco Mundial para Angola, Burundi, República Democrática do Congo e São Tomé e Príncipe, Jean-Christophe Carret, diz-se fascinado com a “revolução tecnológica” ao serviço do Programa de Fortalecimento da Protecção Social – KWENDA.

O responsável fez tais declarações durante o encontro entre as delegações do Banco Mundial, por si chefiada, e do Fundo de Apoio Social (FAS), liderada pelo Director Geral, Belarmino Jelembi, que decorreu na Província do Huambo a 26 de Fevereiro.
No encontro, o FAS passou em revista os passos do Programa, do Diálogo Comunitário ao pagamento dos Agregados Familiares seleccionados, passando pelo cadastramento, bem como o sistema tecnológico que suporta todo o processo.
Coube ao Director Geral do FAS apresentar as linhas gerais do Programa, seguindo-se o especialista para Selecção e Pagamentos do KWENDA, Daniel Miji, sucedido, por sua vez, pelos Agentes de Desenvolvimento Comunitário e Sanitário (ADECOS) que demonstraram como é o seu dia-a-dia no terreno com os Agregados Familiares.
Os ADECOS demonstraram, igualmente, como manuseiam os smart phones usados para cadastrar os Agregados Familiares. Do FAS, o encontro ainda contou com a apresentação do Mecanismo de Salvaguardas Sociais e Ambientais, criado para atender as eventuais reclamações, feita pelo Chefe de Departamento do FAS na Huíla, Frederico Sanumbutue.
“Estou mais fascinado ainda com a forma como estão a trabalhar nas várias fases, as tecnologias que estão a utilizar para cadastrar os Agregados Familiares – iniciativas transformativas”, disse Christopher antes de acrescentar que “o Banco Mundial está muito orgulhoso desta parceria e está certo de que serão alcançados os objectivos preconizados”.
O FAS é uma agência governamental, dotada de personalidade jurídica e autonomia financeira e administrativa. Em coordenação com outros programas de combate à pobreza, contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável e redução da pobreza, focalizando a sua acção na demanda da comunidade, dirigindo as suas acções ao investimento social nas áreas de educação, saúde, água e saneamento, infra-estruturas económicas e ambientais. A sua intervenção regista-se nas dezoito províncias, através de escritórios províncias. A implementação dos programas sob sua responsabilidade conta com o suporte financeiro de diferentes fontes, entre os quais, dotações do Governo de Angola, créditos do Banco Mundial, doações da União Europeia e de outras instituições.